"O caminho que eu escolhi é o do amor. Não importam as dores, as angústias, nem as decepções que eu vou ter que encarar. Escolhi ser verdadeira. No meu caminho, o abraço é apertado, o aperto de mão é sincero, por isso não estranhe a minha maneira de sorrir de ti desejar o bem. E só assim que eu enxergo a vida, e é só assim que eu acredito que valha a pena viver"

Clarice Lispector.

quarta-feira, 2 de abril de 2014

DIA MUNDIAL DE CONSCIENTIZAÇÃO DO AUTISMO



    
 Em 2007 foi instituída pela ONU o Dia Mundial de Conscientização sobre o Autismo, com o objetivo de disseminar informações e esclarecer sobre o que é o transtorno, além abordar a importância do diagnóstico e da intervenção precoce. 
     Usando a cor azul como símbolo da luta para a conscientização do autismo, a cor também mostra que o transtorno é mais comum em meninos do que em meninas. 
fonte:http://www.oregional.com.br/2014/04/dia-mundial-do-autismo-visa-acabar-com-o-preconceito_308727
     Os transtornos do espectro autista, descritos inicialmente por Kanner em 1943, são considerados modernamente como um conjunto heterogêneo de síndromes clínicas que tem em comum uma tríade: comprometimento da interação social, comunicação verbal e não verbal e comportamentos repetitivos e estereotipados, que podem variar desde as formas mais leves até formas mais graves. A forma mais grave é o isolamento social completo e a indiferença às pessoas, já uma forma mais atenuada pode ser vista naqueles que não procuram espontaneamente o contato social mas aceitam ser procurados sem oferecer resistência alguma.
fonte:http://www.adjorisc.com.br/jornais/jornalmetas/2.5339/colunas/saude-comunitaria/2-de-abril-dia-mundial-da-conscientizac-o-do-autismo-1.1443909#.Uzy1uPldW2U
A TODOS OS  ALUNOS , NOSSO CARINHO E RESPEITO!




sexta-feira, 28 de março de 2014

FORMAÇÃO DE GESTORES E EDUCADORES DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA DIREITO À DIVERSIDADE

ENCONTRO COM OS COORDENADORES , GESTORES E EDUCADORES DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.


O encontro ocorreu no prédio do sistema FIRJAN na Unidade da Tijuca Rio de Janeiro.Sob  a organização do Instituto Helena Antipoff.

Temas:  Educação para as Relações Etnocorraciais
             Educação em Direitos Humanos
             Relações de Gênero e Diversidade Sexual na Escola
             Direito da Criança e do Adolescente
             Política Educacional para a Juventude
             Educação de Jovens e Adultos
             Educação Escolar Indígena
             Educação do Campo e Quilombola
             Educação Ambiental
             Educação Especial na Perspectiva Inclusiva



 
















sexta-feira, 21 de março de 2014

DIA MUNDIAL DA SÍNDROME DE DOWN



PORQUE O AMOR NÃO É MEDIDO POR CROMOSSOMOS.

A todos os nossos alunos que tem Síndrome de Down... Dedicamos todo o nosso amor e nosso respeito !!!
Parabéns e obrigado por nos proporcionar tantas alegrias S2.


Dia Internacional da Síndrome de Down foi proposto pela Down Syndrome International com o dia 21 de Março, porque esta data se escreve como 21/3 (ou 3-21), o que faz alusão à trissomia do 21. A primeira comemoração da data foi em 2006.
No Brasil, houve muita repercussão na mídia desta data em 2007, pela presença do jogador de futebol Romário e da novelaPáginas da Vida.
( fonte:http://pt.wikipedia.org/wiki/Dia_Internacional_da_S%C3%ADndrome_de_Down)



sábado, 15 de março de 2014

CENTRO DE ESTUDOS


I CENTRO DE ESTUDOS DE 2014 COM AS PROFESSORAS DAS CLASSES ESPECIAIS

"Uma vida não tem importância se não for capaz de impactar positivamente outras vidas. É papel do professor munir seus alunos de instrumentos para libertação."










segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

VAMOS FALAR DE LIBRAS


LIBRAS

A língua de sinais é uma língua espacial-visual e existem muitas formas criativas de explora-las. Configurações de mão, movimentos, expressões faciais gramaticais, localizações, movimentos do corpo, espaço de sinalização, classificadores são alguns dos recursos discursivos que tal língua oferece para serem explorados durante o desenvolvimento da criança surda e que devem ser explorados para um processo de alfabetização com êxito.


- estabelecimento do olhar
- exploração das configurações de mãos
- exploração dos movimentos dos sinais (movimentos internos e externos, ou seja, movimentos do próprio sinal e movimentos de relações gramaticais no espaço)
- utilização de sinais com uma mão, duas mãos com movimentos simétricos, duas mãos com movimentos não simétricos, duas mãos com diferentes configurações de mãos.
- uso de expressões não manuais gramaticalizadas (interrogativas, topicalização, focus e negação)
- exploração das diferentes funções do apontar
- utilização de classificadores com configurações de mãos apropriadas (incluem todas as relações descritivas e preposicionais estabelecidas através de classificadores, bem como, as formas de objetos, pessoas e ações e relações entre eles, tais como, ao lado de, em cima de, contra, em baixo de, em, dentro de, fora de, atrás de, em frente de, etc.);
- exploração das mudanças de perspectivas na produção de sinais
- exploração do alfabeto manual
- estabelecimento de relações temporais através de marcação de tempo e de advérbios temporais (futuro, passado, no presente, ontem, semana passada, mês passado, ano passado, antes, hoje, agora, depois, amanhã, na semana que vem, no próximo mês, etc.)
- exploração da orientação da mão
- especificação do tipo de ação, duração, intensidade e repetição (adjetivação, aspecto e marcação de plural)
- jogos de perguntas e respostas observando o uso dos itens lexicais e expressões não manuais correspondentes
- utilização de “feedback” (sinais manuais e não-manuais específicos de confirmação e negação, tais como, o sinal CERTO-CERTO, o sinal NÃO, os movimentos de cabeça afirmando ou negando)
- exploração de relações gramaticais mais complexas (relações de comparação, tais como, isto e aquilo, isto ou aquilo, este melhor do que este, aquele melhor do que este, este igual àquele, este com aquele; relações de condição, tais como, se isto então aquilo; relações de simultaneidade, por exemplo, enquanto isto acontece, aquilo está acontecendo; relações de subordinação, como por exemplo, o fulano pensa que esta fazendo tal coisa; aquele que tem isso, está fazendo aquilo)
- estabelecimento de referentes presentes e não presentes no discurso, bem como, o uso de pronominais para retomada de tais referentes de forma consistente
- exploração da produção artística em sinais usando todos os recursos sintáticos, morfológicos, fonológicos e semânticos próprios da LSB (tais recursos incluem, por exemplo os aspectos mencionados até então). A proposta é de tornar rica e lúdica a exploração de tais aspectos da língua de sinais que tornam tal língua um sistema lingüístico complexo. 
www.ines.org.br/libras/index.htm